.
.

3 de outubro de 2010

"Afinal, o que querem as mulheres?" nova serie de Tv

O que a gente pode esperar da nova serie da Globo, com o ousado título "Afinal, o que querem as mulheres?" Um questionamnento do enigmático desejo feninino ou o clichê das confusões amorosas de um personagem com mulheres que não sabem o que querem da vida?

Veja matéria do site da Globo

Sigmund Freud não foi capaz de chegar a uma resposta que satisfizesse a pergunta, por ele um dia levantada: "Afinal, o que querem as mulheres?". Chegar a uma brilhante conclusão sobre o assunto também não é a missão do diretor Luiz Fernando Carvalho. Mas partiu dele a ideia original de usar o tema como ponto de partida para a trama da nova série da TV Globo, com estreia prevista para novembro, batizada justamente com a questão do pai da psicanálise.

André, o personagem central da história, interpretado por Michel Melamed, é um jovem estudante de psicologia. E ele, sim, é obcecado por chegar a uma conclusão a respeito da dúvida freudiana. Porém, mergulhado em sua tese, acaba se distanciando de sua mulher, a artista plástica Lívia, vivida por Paola Oliveira. A relação esfria e o casamento acaba.

- É a história de um cara que, no fundo, ainda é um menino e começa a traçar sua trajetória até conseguir se constituir como homem. Está em crise o tempo todo, fragilizado pelo que está acontecendo ao seu redor, sem controle da vida. Afinal, o que querem os homens? O que se quer da vida, de um relacionamento, de uma mulher, de um trabalho? A série não chega a uma síntese, não pretende apontar alguma coisa. Caso contrário, seria sobre a história de um religioso que encontrou o caminho para a divindade (risos) - diz Melamed, que acha que a tal pergunta feita por Freud hoje não teria mais nenhum sentido: - As mulheres não existem. O que existe é cada mulher, cada pessoa, cada homem. E, no final, todo mundo quer carinho. Eu quero!


Paola Oliveira

Na história, depois que se separa, André passa a se relacionar com outras mulheres. A primeira da lista é Tatiana Dovichenko (Bruna Linzmeyer), uma russa bem mais nova do que ele. Mas nem com toda a sua juventude a menina é capaz de fazê-lo esquecer seu verdadeiro amor.

- Lívia é uma mulher forte, que se posiciona quando vê que a relação não está mais legal e o libera. É triste, dolorido, mas é a maneira que ela encontra de deixá-lo fazer seus questionamentos e amadurecer até o final desse processo - conta Paola, pela primeira vez dirigida por Carvalho: - Uma coisa que ele me disse a respeito de Lívia foi que ela seria a referência do amor. É como se todas as outras personagens femininas na história fossem um desdobramento dela.

Para viver a artista plástica, a atriz de "Afinal, o que querem as mulheres" ganhou um ar mais maduro, com figurino moderno e cabelos curtos e escuros. (...)

Além da dupla, também fazem parte da trama Osmar Prado (como Dr. Klein), Vera Fischer (Celeste, mãe de André), Tarcísio Meira (Romeu, pai do protagonista) e Letícia Spiller (Sophia), entre outros. (...)

A série ficou pronta em dois meses, depois de 30 dias dedicados a ensaios e oficinas com todo o grupo. O último dia de gravação aconteceu na última semana de setembro, na Casa da Marquesa de Santos, em São Cristóvão, no Rio. A equipe de produção chegou ao local por volta das 6h da manhã para transformá-lo numa escola de pintura onde Lívia estudava. Um dos salões foi tomado por cavaletes e telas e, em outro, a produtora de arte Lara Tausz montou um charmoso café.

- Tínhamos que passar uma verdade naquele cenário. Aproveitei que existe uma fábrica de arte dentro do Projac e encomendei telas a diferentes pintores. No café, cada coisa estava ligada ao assunto. Guardanapos faziam referência a Monet e os 30 figurantes que estiveram em cena eram estudantes de arte - afirma Lara: - É assim quando se trabalha com o Luiz. Tudo é muito estudado. Nada está ali por acaso. A cada gravação, eu estudava com a figurinista Beth Filipecki o tom dos tecidos que ela ia usar nos personagens para encontrar uma harmonia com cores de toalhas de mesa, de objetos em cena, por exemplo. (...)


Veja a matéria na íntegra aqui.

Um comentário:

Paulo Becare Henrique disse...

Nem todas as palavras do mundo serão capazes de dar conta do fenômeno "mulher".